You are here:--EDITORIAL: 7 anos de tragédia na Siria

EDITORIAL: 7 anos de tragédia na Siria

14 de março de 2018 | GENEBRA – Após sete anos de conflito na Síria, a OMS renovou o seu apelo à proteção dos profissionais de saúde e ao acesso imediato a populações sitiadas.

Os ataques ao setor da saúde continuaram em um nível alarmante no ano passado. Os 67 ataques verificados em instalações de saúde, trabalhadores e infraestrutura registrados durante os dois primeiros meses de 2018 representam mais de 50% dos ataques verificados em todo o ano de 2017.

“Esta tragédia de saúde deve chegar ao fim”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Todo ataque destrói comunidades e ondulações através dos sistemas de saúde, danificando a infraestrutura e reduzindo o acesso à saúde das pessoas vulneráveis. A OMS conclama todas as partes envolvidas no conflito na Síria a suspender imediatamente os ataques contra profissionais de saúde, seus meios de transporte e equipamentos, hospitais e outras instalações médicas. ”

Os sistemas de saúde estão sendo atacados nos lugares onde são mais necessários. Estima-se que 2,9 milhões de sírios vivem em locais declarados difíceis de alcançar e sitiados pela ONU. A OMS está fornecendo assistência de saúde para muitas dessas áreas, mas não tem acesso consistente.

Em East Ghouta, quase 400.000 pessoas vivem sitiadas há meia década. Suprimentos básicos de saúde estão praticamente esgotados, e agora há mais de mil pessoas necessitadas de evacuação médica imediata.

“É inaceitável que crianças, mulheres e homens estejam morrendo de ferimentos e doenças facilmente tratáveis e evitáveis”, disse Tedros.

Suprimentos médicos críticos também são rotineiramente removidos de comboios inter-agências para locais difíceis de serem alcançados e sitiados. No início deste mês, mais de 70% dos suprimentos de saúde destinados a chegar a East Ghouta foram removidos pelas autoridades e enviados de volta ao armazém da OMS. Os itens removidos são desesperadamente necessários para salvar vidas e reduzir o sofrimento.

Sete anos de conflito devastaram o sistema de saúde da Síria. Mais da metade dos hospitais e centros de saúde públicos do país estão fechados ou funcionando apenas parcialmente e mais de 11,3 milhões de pessoas precisam de assistência médica, incluindo 3 milhões de pessoas que vivem com ferimentos e deficiências.

A OMS está empenhada em garantir que as pessoas em toda a Síria tenham acesso a cuidados de saúde essenciais e vitais. No ano passado, a OMS entregou mais de 14 milhões de tratamentos em todo o país, inclusive por meio de serviços transfronteiriços e de linha cruzada.

“O sofrimento do povo da Síria deve parar. Pedimos a todas as partes envolvidas no conflito que acabem com os ataques à saúde, que ofereçam acesso a todos os que na Síria precisam de assistência médica e, acima de tudo, que ponham fim a este conflito devastador ”, disse o Dr. Tedros.

Para mais informações por favor entre em contato:

Tarik Jašarević
Communications Officer
Telephone : +41 22 791 5099
Mobile: +41 793 676 214
E-mail: jasarevict@who.int

By | 2018-04-10T12:07:16+01:00 Abril 3rd, 2018|Categories: EDITORIAL|Comentários fechados em EDITORIAL: 7 anos de tragédia na Siria

About the Author:

Uma Trajetória de Sucesso em Colaboração, Inovação e Empreendedorismo Social --> Formação Acadêmica e Experiência Docente: Formado em Psicologia Social e das Organizações pelo ISPA, Paulo Nunes de Abreu possui mestrado em Gestão de Informação pela Universidade de Sheffield e doutoramento em Ciências da Gestão pela Universidade de Lancaster. Entre 1996 e 2000, atuou como professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada e na ISEG (Escola de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa). Experiência profissional como Consultor: Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Paulo concluiu seu doutoramento em 2000. Desde então, acumulou vasta experiência como consultor, colaborando com o Governo Regional da Madeira (Direção Regional de Saúde) e participando em diversos projetos de consultoria e investigação com instituições de renome como o ISEG, INETI, Câmara Municipal de Évora, EDP, Ministério da Saúde de Portugal, Eureko BV, Observatório Europeu da Droga e PWC em Espanha. Especializações e Contribuições Relevantes: Certificado como facilitador profissional pela IAF (International Association of Facilitators), Paulo teve um papel crucial na criação das Cimeiras Ibéricas de Líderes de Saúde na Espanha e foi co-fundador do Fórum do Hospital do Futuro em Portugal. Especializado em GDSS (sistemas de apoio à decisão em grupo), projetou intervenções para otimizar processos de mudança e inovação nos setores de saúde e educação. Atuação Atual e Abordagem Profissional: Desde 2021, Paulo é cofundador da col.lab | collaboration laboratory Ltd., empresa sediada em Londres e spin-off da série de livros "Arquitetar a Colaboração", que aborda princípios, métodos e técnicas de facilitação de grupos. Sua trajetória, combinada com a experiência como residente em vários países e atualmente em Portugal, moldou uma abordagem profissional focada em colaboração, inovação e empreendedorismo social.