You are here:--O Futuro da Saúde em Portugal: Inovação e Consenso em Tempos de Mudança

O Futuro da Saúde em Portugal: Inovação e Consenso em Tempos de Mudança

(Poderá subscrever a nossa e-newsletter no LinkedIn aqui)

Num período eleitoral crítico, as escolhas políticas que irão ser feitas em Portugal nos próximos tempos (dia 4/02 nos Açores, dia 10/03 no continente) serão determinantes para o futuro do sistema de saúde.

Enfrentando uma crise de regime e desafios consideráveis no SNS, incluindo a pressão sobre hospitais privados, alguns dos quais se vêm obrigados a encerrar urgências, urge encontrar um consenso nacional acerca daqueles que podem ser os “Building Blocks” ou pedras angulares das políticas públicas sobre saúde em Portugal.

O 2º Plenário do Think Tank SNS de Contas Certas que decorreu no passado mês de Setembro no Porto e o Manifesto da Saúde Digital, ambos com foco na evolução do setor, são fundamentais nesta discussão. O nosso objetivo com ambas estas iniciativas é o de promover uma visão sustentável para o sistema de saúde, equilibrando inovação e eficiência.

Manifesto de Saúde Digital

O Manifesto da Saúde Digital em Portugal, iniciativa da Digital Health Portugal, surge como um marco promissor. Centrado na equidade e inovação, propõe uma transformação digital no sistema de saúde. Este documento não é apenas um conjunto de metas, mas um convite à ação coletiva para a transformação da saúde em Portugal.

Acesso Equitativo: A Digital Health Portugal coloca o acesso igualitário à saúde no centro da sua missão. Esta abordagem é vital para ultrapassar disparidades no acesso à saúde, especialmente em áreas rurais e entre populações desfavorecidas.

Revolução dos Dados em Saúde: A utilização de dados de saúde como alavanca para decisões informadas é uma tendência mundial. A segurança, privacidade e uso ético desses dados são essenciais.

Avanço das Tecnologias de Saúde Digital: Tecnologias como telemedicina e diagnósticos impulsionados por IA representam o presente e o futuro da saúde, essenciais para enfrentar desafios como pandemias globais.

Sistemas de Saúde Resilientes: A construção de sistemas de saúde resilientes é crucial, especialmente num mundo marcado por incertezas e desafios contínuos.

Colaboração e Inovação: A colaboração entre profissionais de saúde, inovadores e formuladores de políticas é chave para o sucesso.

Participação Comunitária: O envolvimento ativo da comunidade é fundamental para a relevância e eficácia das inovações em saúde.

Poderá aceder ao artigo original com os princípios deste Manifesto aqui

Sinergia com o Think Tank SNS de Contas Certas

As reflexões do 2º Plenário do Think Tank complementam o Manifesto, abordando a cocriação de saúde, o envelhecimento da população e a otimização do SNS.

Cocriação de Saúde e Inovação Digital

A cocriação de saúde destacada no 2º plenário do Think Tank SNS de Contas Certas encontra um aliado no Manifesto da Saúde Digital, que promove o uso de tecnologias como telemedicina e registos eletrónicos. Esta sinergia pode reforçar o envolvimento comunitário e a participação ativa dos cidadãos, um ponto crucial discutido na primeira mesa do Think Tank.

Envelhecimento da População e Tecnologias Digitais

A discussão sobre o envelhecimento da população, abordada na segunda mesa, pode beneficiar-se grandemente das inovações em saúde digital. Tecnologias como diagnósticos impulsionados por IA podem ajudar a promover um envelhecimento ativo e saudável, alinhando-se com as políticas de prevenção e cuidados a longo prazo.

Otimização do SNS e a Revolução dos Dados em Saúde

As recomendações para a otimização do SNS, discutidas na terceira mesa, são complementadas pela revolução dos dados em saúde proposta no Manifesto. A análise e aplicação de dados podem melhorar a eficiência dos cuidados e a tomada de decisões, um aspecto chave para a melhoria do desempenho sistêmico do SNS.

Conclusão

As recomendações do Think Tank e os princípios do Manifesto da Saúde Digital enfrentam desafios semelhantes em termos de implementação, como a necessidade de governança integrada e políticas de saúde adaptativas. A colaboração entre diferentes stakeholders, tal como é enfatizado em ambos os documentos, é fundamental para superar esses desafios.

A integração das visões e recomendações do Think Tank SNS de Contas Certas e do Manifesto da Saúde Digital em Portugal pode ser um passo significativo para um sistema de saúde mais resiliente e adaptado às necessidades que enfrentamos nos dias de hoje. O futuro da saúde em Portugal dependerá da capacidade de unir inovação, participação comunitária e políticas eficientes, visando um SNS mais sustentável e acessível.

Chamada à Ação

Convidamos todos os profissionais de saúde, decisores políticos, inovadores tecnológicos e cidadãos a participarem nestas discussões e contribuírem para a concretização destas visões, participando nos nossos próximos eventos.

A colaboração entre todos os stakeholders nos vários setores (público, privado e social) é crucial para transformar os desafios em oportunidades e construir um sistema de saúde que atenda às necessidades de todos em Portugal.

Para as empresas que trabalham no setor convidamos a participar no Barómetro de Saúde Digital https://www.barometrosaudedigital.pt/

Convidamos a participar nos nossos eventos, as inscrições para o IX Meetup Digital Health Portugal | Inovação Digital em Cuidados Paliativos podem ser realizadas aqui: https://cuidadospaliativos.digitalhealthportugal.pt/

Por último, siga as conclusões do Think Tank SNS de Contas Certas, cujas conclusões e recomendações podem ser obtidas aqui: https://www.saudesustentavel.pt/

III Sessão plenária do Think Tank SNS de Contas Certas

O Think Tank SNS de Contas Certas, anuncia seu terceiro plenário na Fundação Calouste Gulbenkian.

O primeiro dia do evento, 28 de fevereiro de 2024, será uma sessão fechada focada no desafio crescente das doenças crônicas não transmissíveis, com ênfase especial em cuidados paliativos e na interação entre Saúde e Segurança Social. Esta reunião visa gerar ideias e recomendações práticas para melhorar a gestão de doenças crónicas, mantendo a solidez financeira do sistema de saúde.

No dia seguinte, 29 de fevereiro, a sessão pública no IX Meetup Digital Health Portugal abordará a inovação digital em cuidados paliativos.

Para além da apresentação das conclusões do Think Tank, este dia será dedicado à explorando o papel da tecnologia na melhoria dos cuidados paliativos e fortalecendo a sustentabilidade do SNS.

O encontro reunirá especialistas e profissionais para discussões ampliadas, incluindo apresentações sobre E-Health e uma conferência principal sobre a implementação da saúde digital em cuidados paliativos.

Este evento representa um esforço colaborativo importante entre especialistas em saúde, economia e políticas públicas, e é um passo decisivo na direção de um SNS mais robusto e preparado para atender às necessidades futuras da sociedade portuguesa.

Inscrições: https://cuidadospaliativos.digitalhealthportugal.pt/

Podcast SNS de Contas Certas

Descubra o Podcast ‘SNS de Contas Certas’, uma parceria do Fórum Hospital do Futuro e Digital Health Portugal. Desde o final de 2022 que trazemos podcasts mensais no Spotify, a partir dos eventos em direto nas nossas redes sociais, com entrevistas a líderes da saúde em Portugal.O nosso objetivo é estimular o debate para um SNS inovador e sustentável, promovendo a co-criação de saúde entre as organizações do Estado e toda a sociedade civil.Não perca esta oportunidade de fazer parte de uma conversa essencial sobre o futuro da saúde em Portugal e contribuir para um SNS mais sustentável.

Aceda aqui no Spotify

By | 2024-02-01T10:39:21+01:00 Janeiro 30th, 2024|Categories: EDITORIAL|Comentários fechados em O Futuro da Saúde em Portugal: Inovação e Consenso em Tempos de Mudança

About the Author:

Uma Trajetória de Sucesso em Colaboração, Inovação e Empreendedorismo Social --> Formação Acadêmica e Experiência Docente: Formado em Psicologia Social e das Organizações pelo ISPA, Paulo Nunes de Abreu possui mestrado em Gestão de Informação pela Universidade de Sheffield e doutoramento em Ciências da Gestão pela Universidade de Lancaster. Entre 1996 e 2000, atuou como professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada e na ISEG (Escola de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa). Experiência profissional como Consultor: Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Paulo concluiu seu doutoramento em 2000. Desde então, acumulou vasta experiência como consultor, colaborando com o Governo Regional da Madeira (Direção Regional de Saúde) e participando em diversos projetos de consultoria e investigação com instituições de renome como o ISEG, INETI, Câmara Municipal de Évora, EDP, Ministério da Saúde de Portugal, Eureko BV, Observatório Europeu da Droga e PWC em Espanha. Especializações e Contribuições Relevantes: Certificado como facilitador profissional pela IAF (International Association of Facilitators), Paulo teve um papel crucial na criação das Cimeiras Ibéricas de Líderes de Saúde na Espanha e foi co-fundador do Fórum do Hospital do Futuro em Portugal. Especializado em GDSS (sistemas de apoio à decisão em grupo), projetou intervenções para otimizar processos de mudança e inovação nos setores de saúde e educação. Atuação Atual e Abordagem Profissional: Desde 2021, Paulo é cofundador da col.lab | collaboration laboratory Ltd., empresa sediada em Londres e spin-off da série de livros "Arquitetar a Colaboração", que aborda princípios, métodos e técnicas de facilitação de grupos. Sua trajetória, combinada com a experiência como residente em vários países e atualmente em Portugal, moldou uma abordagem profissional focada em colaboração, inovação e empreendedorismo social.