You are here:--EDITORIAL: Um túnel ao fundo da luz?

EDITORIAL: Um túnel ao fundo da luz?

Quando há um ano escrevi pela primeira vez sobre esta pandemia a OMS ainda não a tinha declarado como tal, mas já era bem visível o caos que causava na China. Se nessa altura tivesse ocorrido um rápido confinamento global sincronizado com o confinamento da China, jamais essa epidemia chegaria onde chegou.

Mas quem tem autoridade para decretar a paralisação mundial de qualquer tráfico de passageiros entre todos os aeroportos e portos, impedir a circulação de pessoas por automóvel num raio de poucas dezenas de quilómetros? Aquilo a que em inglês se poderia designar por “global unified lockdown”?

Teria a humanidade a capacidade para criar tal sistema de decisão política ao mais alto nível e com este nível de prontidão? Poderia o próximo mandato do Secretário-Geral da ONU incluir esta prerrogativa aceite por todos os seus membros? Esta não é uma questão trivial. Estamos a falar de como um assinalável prejuízo económico à escala mundial podería ter evitado um prejuízo incalculável e com consequências históricas imprevisíveis.

Não estamos livres que em qualquer momento, um novos vírus volte a aparecer e desta vez com muito maior patogenicidade. Uma melhor coordenação de atuação à escala global é urgente e necessária.

Tampouco estamos livres que este atual SARS-CoV-2 possa mutar em algo que venha a dizimar muitas mais vidas e a causar um nível de stress sem precedentes ao conjunto das populações humanas que povoam este planeta já duramente fustigadas pelos efeitos das alterações climáticas.

Apesar de estarmos a ver a luz ao final do túnel, a verdade é que não podemos baixar (nunca mais) a guarda e como diz o Diretor-Geral da OMS “Until we end the pandemic everywhere, we will not end it anywhere”

“134 países com 2,5 bilhões de habitantes ainda não receberam uma única dose de vacina.” 4th Access to COVID-19 Tools (ACT) Accelerator Facilitation Council meeting

Esta ‘nova normalidade’ apresenta sérios desafios éticos claramente identificados pelo OMS (Working Group on Ethics and COVID-19). Desde a alocação de recursos e definição de prioridades, distanciamento físico, vigilância da saúde pública, direitos e obrigações dos profissionais de saúde para a realização de ensaios clínicos, e um largo etc.

Na última mesa redonda preparatória da Cimeira das Regiões de Saúde onde foi debatida a questão do “passaporte COVID19” foi consensual a importância da existência de um mecanismo para possibilitar o circulação de pessoas em segurança e desenvolver rapidamente o turismo e a vastidão de atividades económica que lhe estão associadas. Foi proposto o emprego de um termo mais neutro – certificado de vacinação – uma sugestão que felizmente virá a ser adotada (transmissão integral no YouTube)

O semanário Expresso anunciou já que a presidência portuguesa irá propôr que este “certificado verde”, seja comum a todos os países da União e esteja disponível nos próximos meses.

Global Virtual Conference on Bioethics and the Coronavirus Pandemic

Mas estas e todas as grandes questões associadas aos impactos bioéticos da COVID19 serão abordadas com rigor e profundidade nos próximos dias 10 e 11 de Março, durante a próxima Conferência Global sobre Bioética organizada conjuntamente pela Universidade de Haifa e pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e presidida pelo Professor Rui Nunes.

O programa destes dois dias de conferências virtuais inclui vários painéis pejados de oradores convidados oriundos de todo o mundo e que irão partilhar o conhecimento mais atual nas seguintes temáticas:

  • Bioética e Saúde Global
  • COVID19 e Direitos Humanos
  • Ética Médica e Integridade Profissional
  • Justiça no Acesso aos Cuidados de Saúde

Contando já com mais de 800 inscritos, os interessados poderão consultar aqui o programa e realizar as suas inscrições a partir deste enlace.

———————

Crédito da imagem de capa: Blog da Carglass.

By | 2021-03-02T12:16:21+01:00 Março 2nd, 2021|Categories: EDITORIAL|0 Comments

About the Author:

Licenciado em Psicologia pelo ISPA, mestrado pela Universidade de Sheffield e doutorado pela Universidade de Lancaster. Desde 1996, foi professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada e no ISEG (Escola de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa). Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, concluiu o doutoramento na Management School da Universidade de Lancaster em Novembro de 2000. Foi consultor do Governo Regional da Madeira (Direção Regional de Saúde) e levou a cabo diversos trabalhos de consultoria e projetos de investigação para o ISEG, INETI, Câmara Municipal de Évora, várias empresas do grupo EDP, Ministério da Saúde Portugal, Eureko BV, Observatório Europeu da Droga, e PWC, em Espanha onde reside. Como facilitador profissional certificado e membro da IAF (International Association of Facilitators), iniciou as Cimeiras Ibéricas de Líderes de Saúde em Espanha e o Fórum do Hospital do Futuro em Portugal. É especializado em GDSS (sistemas de apoio à decisão em grupo) e projeta intervenções para otimizar a mudança e a inovação em saúde e educação. Desde 2020, é cofundador da Digital Collaboration Academy, uma empresa com sede em Londres, dedicada a facilitar o caminho para a adoção de ferramentas para a colaboração digital.

Leave A Comment