You are here:--Web summit e e-Saúde

Web summit e e-Saúde

O Impacto económico de um evento global como o Websummit Lisbon que se realizou este passado mês de Novembro em Lisboa, não é apenas nos consumos de hoteleria que foram significativos para a cidade capital e seus arredores, mas sobretudo no potencial de converter Portugal num polo de inovação à escala mundial em e-Saúde.

A empresa de consultoria em estratégia de negócios Mckinsey, publicou um estudo recente sobre o impacto económico na poupança que a chamada revolução digital (incluindo aqui a IoT – Internet of Things) poderá ter em Saúde.

A aposta nos ganhos de eficiência hospitalar já não é a principal contribuição à poupança em saúde como se pensava até aqui. Os maiores ganhos em Saúde serão conseguidos ao nivel da própria prestação dos cuidados de Saúde, através de novos procedimentos como a telemedicina ou a monitorização de indicadores de saúde e de comportamentos de risco, que poderão trazer as poupanças mais significativas (ver gráfico e video mais abaixo).

As grandes empresas portuguesas na área da Saúde como é o caso da Glintt são muito importantes para o desenvolvimento da e-Saúde e têm uma responsabilidade acrescida para poderem potenciar este “efeito websummit” não apenas em Portugal mas em todos os mercados onde operam e potenciar um ecosistema de inovação ao seu redor, tal como o fazem as grandes multinacionais como a IBM que acaba de anunciar a sede global do seu sistema Watson para a IoT (Internet of Things) na Europa.

A imagem “Portugal – Inovação – Saúde” poderá ser ainda mais reforçada pelo facto de este país ter uma estratégia para o desenvolvimento da e-Saúde que é exemplar na Europa. A própria OMS ficou supreendida pela positiva com as metodologias de planeamento estratégico que são adotadas em Portugal e o impacto que as aplicações móveis (apps) como o mySNS desenvolvida pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) estão a ter e que são um excelente cartão de visita para a modernidade do Serviço Nacional de Saúde português junto dos seus congéneres europeus e por toda a Iberofonia.

É necessária agora mais que nunca uma cumplicidade estratégica publico-privada em e-Saúde que possa gerar mais poupança aos contribuintes e potenciar mais emprego qualificado e mais crescimento económico. A estratégia de e-Saúde para Portugal aponta claramente o caminho a seguir, e o Websummit 2017 será seguramente ainda mais relevante. Marque já na sua agenda uma vinda a Lisboa nos dias 6 a 9 de Novembro 2017, é provável que os hotéis esgotem de novo.

 

By | 2018-04-10T12:07:23+01:00 Novembro 30th, 2016|Categories: EDITORIAL|0 Comments

About the Author:

Licenciado em Psicologia pelo ISPA, mestrado pela Universidade de Sheffield e doutorado pela Universidade de Lancaster. Desde 1996, foi professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada e no ISEG (Escola de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa). Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, concluiu o doutoramento na Management School da Universidade de Lancaster em Novembro de 2000. Foi consultor do Governo Regional da Madeira (Direção Regional de Saúde) e levou a cabo diversos trabalhos de consultoria e projetos de investigação para o ISEG, INETI, Câmara Municipal de Évora, várias empresas do grupo EDP, Ministério da Saúde Portugal, Eureko BV, Observatório Europeu da Droga, e PWC, em Espanha onde reside. Como facilitador profissional certificado e membro da IAF (International Association of Facilitators), iniciou as Cimeiras Ibéricas de Líderes de Saúde em Espanha e o Fórum do Hospital do Futuro em Portugal. É especializado em GDSS (sistemas de apoio à decisão em grupo) e projeta intervenções para otimizar a mudança e a inovação em saúde e educação. Desde 2020, é cofundador da Digital Collaboration Academy, uma empresa com sede em Londres, dedicada a facilitar o caminho para a adoção de ferramentas para a colaboração digital.

Leave A Comment